Centro Recreativo e Esportivo Dragons, Bem Vindo !

 

 

 

Publicidade:

 

História do Beisebol

 

O Beisebol no Brasil, e no mundo, é um esporte familiar. Os clubes de beisebol são associações familiares, onde a participação da família é fundamental. O Beisebol tem sido uma opção de lazer para a família e de educação para os filhos. Depois que os garotos (as) aderem ao esporte se tornam atletas de beisebol, dificilmente cederão às tentações da vida moderna, como as drogas, bebidas e a influências das más companhias.

O beisebol tem sido um refúgio importante para muitas famílias. É um lugar onde os filhos desenvolvem amizades, a sua coordenação motora, sua capacidade física e atlética e se livram dos males mais comuns das cidades grandes: as alergias e a bronquite, além de desenvolverem uma forte resistência a gripes, resfriados e dores de garganta.

O beisebol é um ambiente que oferece tranqüilidade, onde seu filho está sempre com pessoas amigas e conhecidas. Tem sempre alguém tomando conta do seu filho, seja técnico, treinador, coordenador ou então algum pai. Um ambiente em que todos se preocupam com o bem estar das crianças.

É inegável que o desenvolvimento esportivo e atlético dos garotos é muito superior quando existe o acompanhamento dos pais. Relembrando aquela frase da propaganda famosa: "Não basta ser pai, tem que participar." É bonito e prazeroso acompanhar o desenvolvimento dos filhos. O Centro Recreativo e Esportivo Dragons e o beisebol oferecem esta oportunidade. Vale a pena investir no seu filho, e na sua tranqüilidade.

O Centro Recreativo e Esportivo Dragons tem nos seus planos, tornar-se um clube de múltiplas modalidades esportivas, não apenas o Beisebol. Temos planos adiantados para instalar um conjunto de piscinas e das quadras poli-esportivas. Está nos nossos planos transformar o Centro Recreativo e Esportivo Dragons numa opção de lazer para toda a família.

O jogo de Beisebol aqui no Brasil, é um dos jogos mais populares do mundo, principalmente nos Estados Unidos. Este é um esporte tipicamente americano que conquistou adeptos pelo mundo inteiro e é o esporte mais popular em países como o Japão, Cuba, e em muitos países do Caribe, da América Central também na Europa.

O Beisebol é um esporte completo, que exige força, reflexos, agilidade, e velocidade. Alguns jogadores profissionais, com certeza poderiam ser velocistas, outros poderiam praticar outras formas de atletismo. O Beisebol é um esporte coletivo onde o espírito de equipe e a colaboração entre os jogadores em campo é muito importante.

O Beisebol é um esporte familiar, onde a assistência ou torcida é formada de famílias, desde o avôs até os netinho, onde o amor ao esporte é passado de geração a geração.

O Beisebol é um dos esportes mais populares dos Estados Unidos, Caribe e Paises do Extremo Oriente. Nascido nos Estados Unidos, uma das maiores tradições americanas, que até hoje mantém as regras originais, sem alteração desde sua regulamentação inicial há mais de 125 anos.

É o esporte que se confunde com a historia americana. Teve sua origem no Estado de Nova Iorque, na cidade de Cooperstown, onde hoje se encontra instalado o Pavilhão da Fama do Beisebol (Baseball National Hall of Fame), museu oficial do beisebol americano onde se encontra tudo a respeito da história do Beisebol.

O Beisebol, esporte das bases, foi difundido largamente pelos Estados Unidos após a Guerra Civil, na década de 1860. Durante a Guerra Civil, no intervalo entre as batalhas, os soldados praticavam o esporte das bases nos acampamentos militares e ao retornarem para suas cidades de origem, levaram novo esporte como forma de lazer. Assim, o beisebol foi largamente difundido em todos os Estados Unidos.

O Beisebol foi difundido nos demais paises do mundo por funcionários de empresas americanas ou então pelos soldados americanos espalhados pelas bases militares pelo mundo.

O Beisebol mais famoso do mundo, o americano, é transmitido para todas os lugares do mundo, via satélite, e no Brasil podemos acompanhar o campeonato americano pelos Canais a Cabo (ESPN), com narração em português. Cada um dos 30 clubes americanos realiza mais de 160 partidas até culminar na rodada final entre os dois campeões de cada liga (Americana e National) numa super rodada de sete jogos chamada WORLD SERIES.

O Campeão da WORLD SERIES é considerado o Campeão Mundial, mesmo que os times participantes sejam 28 times americanos e dois Canadenses (Toronto Blue Jays e Montreal Expos). Durante os jogos da WORLD SERIES os Estados Unidos literalmente param. Todas as televisões estão ligadas nos jogos e os intervalos comerciais durante os jogos são os mais caros do mundo.

O Beisebol americano é um esporte milionário, com salários milionários. Existem atletas com salários superiores a um milhão de dólares/mês e isto tem motivado muitos jogadores brasileiros de talento a tentarem o profissionalismo nos times da MAJOR LEAGUE BASEBALL (MLB), a associação dos clubes profissionais americanos.

Atualmente, o beisebol encontra-se entre os três primeiros esportes preferidos em paises como EUA, Japão, México, Paises do Caribe, e paises Centro Americanos. Na America do Sul os países com beisebol mais evoluído são a Venezuela e a Colômbia, devido à influência da cultura e economia americanas naqueles países. O beisebol mais forte do mundo, fazendo jus ao seu país de origem, são os EUA, seguidos do Japão.

No beisebol amador (olímpico), um dos país mais forte é Cuba. Os Cubanos foram campeões olímpicos nas duas primeiras Olimpíada, perdendo na última Olimpíada (Sidney – Australia) para os Estados Unidos. Isto se deve ao fato do beisebol ser o esporte número um tanto nos Estados Unidos como em Cuba.

Não é permitido aos jogadores Cubanos se profissionalizem em outros países. Os poucos que tem conseguido se profissionalizar, tiveram antes que enfrentar o risco de morte na fuga de Cuba em pequenos barcos, a mercê das tempestades e dos tubarões. Quando conseguem sobreviver, tornam-se milionários do beisebol profissional americano.

Nas olimpíadas, a disputa de medalhas se tornou muito mais equilibrada, visto que agora é permitida a participação de jogadores profissionais, e a disputa entre EUA e Cuba e Japão será muito mais acirrada.

O beisebol também tem apresentado um desenvolvimento muito forte nos paises europeus nos últimos anos. Já existem Ligas Profissionais na Itália, Holanda, Alemanha e Espanha.

A organização principal do Baseball americano, a MAJOR LEAGUE BASEBALL, através da sua subsidiária a MLBI (Major League Baseball International) tem investido muito no desenvolvimento do beisebol na Europa, através do envio de técnicos, times de jogadores veteranos, formação de técnicos europeus nos EUA, etc.

Na Alemanha, por exemplo, o beisebol tem tido um crescimento assombroso. Atualmente já existem mais de 500 times organizados, associando mais de 50.000 atletas amadores. Há menos de 10 anos o beisebol por lá estava praticamente na estaca zero. A Confederação Alemã espera ter mais de 750 clubes na virada do século, época em que eles querem implantar as suas liga profissional.

Atualmente, existem quatro divisões (níveis) na organização do beisebol alemão, com acesso e descesso entre as divisões. A divisão principal é disputada por 16 times, num campeonato de longa duração, com turno e returno.

A profissionalização deverá ocorrer na Primeira Divisão, e o beisebol já é o terceiro esporte na preferência dos jovens alemães. Isto porque tem sido desenvolvido trabalho de introdução de beisebol nas escolas primário alemãs, apoiado pela MLBI e empresas fabricantes de material esportivo de beisebol.

O Beisebol no Brasil, foi introduzido pelos americanos no início do século através de empregados de empresas americanas, porém teve um forte impulso com a chegada dos imigrantes japoneses, que já haviam adotado o beisebol como esporte nacional. Atualmente, o Brasil conta com cerca de 60 times de Beisebol ativos e com cerca de 8.000 atletas confederados em diferentes faixas etárias, desde o Teeball (7 e 8 anos) até as categorias veteranas (acima de 35 anos).

Os primeiros times organizados surgiram na década de 1920 e em 1946 foi fundada a FEDERAÇÃO PAULISTA DE BEISEBOL, com forte apoio da GAZETA ESPORTIVA e da imprensa em geral. Com este apoio, o Beisebol cresceu, evoluiu e se tornou um esporte bastante praticado nas décadas de 50 e 60, inclusive com equipes semi-profissionais ligadas a empresas como o time do HOWA, do KANEBO, DO COOPERCOTIA e do SANSUY, que chegaram a contar com jogadores estrangeiros no seu elenco.

A partir da decada de 70, com a desativação das equipes semi-profissionais, e com o crescente desinteresse da mídia pelo beisebol, o esporte tem sofrido um constante declínio no Brasil.

O beisebol brasileiro, tradicionalmente, tem sido ligado à comunidade japonesa e com o êxodo dos descendentes de japoneses de volta ao Japão através do fenômeno dos "Dekasseguis", isto esvaziou comunidades inteiras onde o beisebol tradicionalmente era forte (Bastos, Presidente Venceslau, Adamantina, Tupã, Andradina, Pereira Barreto, e muitas outras, inclusive São Paulo e adjacências).

Por outro lado, o enfraquecimento do beisebol na comunidade japonesa abriu espaço para os brasileiros não descendentes de japoneses, e houve uma forte evolução técnica no beisebol brasileiro devido à vinda de técnicos cubanos para o Brasil.

Os cubanos introduziram a técnica cubana no beisebol brasileiro, mesclando com a tradicional técnica japonesa. Esta mescla levou o Brasil a conquistar importantes resultados internacionais, inclusive um campeonato e um vice-campeonato mundial, na categoria Júnior, em 1993 e 1995. O Brasil também foi campeão Pan-Americano na categoria Pré-Júnior e Júnior.

A introdução da técnica Cubana foi muito importante para evolução técnica do beisebol brasileiro, pois os cubanos tem a melhor escola e os melhores jogadores amadores do mundo, inclusive campeões olímpicos em Barcelona e Atlanta, vencendo os americanos e japoneses (que participaram com times universitários e não profissionais).

Graças a introdução de técnicas Cubanas o Brasil classificou-se para o Campeonato Mundial em 2005 que será realizado na Holanda no mês de outubro.

O beisebol brasileiro é muito forte até a categoria Júnior (15 e 16 anos). Depois desta idade, há um forte desinteresse dos jovens, devido aos compromissos estudantis (vestibular, faculdade, etc) e principalmente pela falta de perspectiva profissional no Brasil.

A única saída para os jogadores mais talentosos é tentar o profissionalismo nos Estados Unidos ou no Japão. E temos muitos talentos brasileiros seguindo este caminho esvaziando a qualidade do beisebol Juvenil e Adulto no Brasil.

A cidade de São Paulo é o lugar onde mais se pratica o beisebol no país. São Paulo oferece as melhores alternativas para praticar o beisebol. A cidade de São Paulo tem dez clubes organizados, com mais de 2.000 atletas inscritos na Federação Paulista e na Confederação Brasileira de Beisebol.

Na região metropolitana de São Paulo (Grande São Paulo) existem mais de 20 clubes de beisebol congregando mais de 50% dos jogadores de beisebol do Brasil e no Estado de São Paulo são em torno de 35 clubes que representam 70% de praticante deste esporte no Brasil.

Os Estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Paraná são as três principais potências do Beisebol Brasileiro.

Hoje está se tentando retomar este esporte no Rio de Janeiro, Brasília, Pará, Minas Gerais e Santa Catarina.

 

 

Newsletter:
Cadastre-se e receba novidades e promoções do Dragons !



Compartilhe:

 

© 2012:. Centro Recreativo e Esportivo Dragons - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Brasil Propaganda - Criação de Sites